Arquivo Histórico

A documentação histórica da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, acondicionada em cerca de 6 km de prateleiras, é constituída, sobretudo, por documentos em suporte de papel, pergaminho, fotografias e registos sonoros.

 

Cabe ao Arquivo Histórico da Misericórdia de Lisboa coordenar e garantir o funcionamento e a guarda dos arquivos definitivo e intermédio da instituição, que são constituídos, essencialmente, por documentos produzidos e recebidos pela própria, assim como pela biblioteca de Livro Antigo. Compete-lhe reunir, organizar, descrever, conservar, divulgar e disponibilizar o acervo documental da Santa Casa e da sua biblioteca histórica.

O arquivo recebe massas documentais acumuladas pelos diversos serviços da instituição, fazendo a respetiva avaliação e seleção, nos termos definidos pela Portaria 6/2017 (de 4 de janeiro), que aprova o regulamento de gestão de documentos da Misericórdia de Lisboa. Este serviço coordena, ainda, o processo de eliminação da documentação sem valor secundário ou histórico, com base nos pressupostos patentes neste diploma legal.

Com o grande terramoto de 1755 e o violento incêndio que se seguiu, a Misericórdia de Lisboa viu destruída grande parte do seu património e documentação. Por esta razão, conservam-se, sobretudo, no arquivo histórico, documentos de meados do século XVIII até aos nossos dias.

Dentro do Arquivo

As guardiãs da história da Santa Casa

Sinais de Expostos - Conservação e Restauro

Reprodução de documentos: sujeita a restrições, tendo em conta o tipo de documentos, o estado de conservação ou o fim a que se destina, bem como a legislação em vigor.

Apoio à pesquisa: o funcionário de serviço na sala de leitura pode, quando solicitado, dar apoio aos utilizadores, facultando orientações para a pesquisa, informações sobre a documentação e os instrumentos de descrição documental disponíveis, auxiliando, também, na leitura paleográfica dos documentos. São disponibilizados pontos de acesso à internet para fins de investigação.

Visitas guiadas mediante marcação prévia.

Para apoio ao utilizador, agendamento de consulta presencial ou solicitação de outros serviços relacionados com o Arquivo Histórico da SCML, contacte por favor arquivo.historico@scml.pt.

Os “sinais” das crianças expostas na roda de Lisboa, constituem um dos ex-libris do arquivo histórico da Santa Casa. São compostos, na sua maioria, por um “bilhete”, normalmente em suporte de papel, no qual o progenitor, ou alguém por ele, registava informação sobre o menor, considerada necessária ou útil.

Esta série documental é composta por mais de 86.700 “sinais”, o que torna este conjunto um dos mais significativos em termos numéricos e de abrangência cronológica.

Sinal de Maria da Conceição

Criança exposta n.º 1103 de 1790

Dimensão e suporte: 2 fls.; papel.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo feminino, nascida no dia 11 de Outubro de 1790.
Inclui um bilhete com as letras “a, e, i, o, u”.

 

Sinal de Joaquim Ferreira

Criança exposta n.º 708 de 1791

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel e tecido.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino, nascida no dia 6 de Julho de 1791.
Inclui uma fita cor-de-rosa e uma bolsinha de seda branca, com motivos geométricos amarelos e castanhos, a envolver meia pagela de Nossa Senhora das Dores.

 

Sinal de Guilherme

Criança exposta n.º 720 de 1791

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel e tecido.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino.
Inclui o desenho de uma cruz, bem como um bentinho de Nossa Senhora do Monte do Carmo, de linho castanho bordado a linha cor-de-rosa, azul e vermelha.

 

Sinal de Gertrudes Rosa

Criança exposta n.º 495 de 1792

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo feminino.

Sinal de José

Criança exposta n.º 1216 de 1792

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel, fio e coral.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino, nascida no dia 28 de Outubro de 1792.
Inclui um fio branco e uma conta de coral cor-de-rosa.

 

Sinal de Egídio

Criança exposta n.º 406 de 1793

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel, tecido, metal e osso.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino.
Inclui um relicário de prata e vidro e um dente de lobo encastrado em prata, com um fio.

 

Sinal de Agostinho

Criança exposta n.º 845 de 1793

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel e vidro.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino, nascida no dia 21 de Julho de 1793.
O suporte de papel apresenta corte efetuado para efeitos de validação.
Inclui o desenho de um arabesco e um rosário de missangas pretas com crucifixo.

 

Sinal de Francisco

Criança exposta n.º 948 de 1793

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel e lacre.

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino, nascida no dia 11 de Fevereiro de 1793.
Inclui um selo de lacre com o escudo de Portugal.

 

Sinal de Francisco Inácio da Conceição

Criança exposta n.º 99 de 1795

Dimensão e suporte: 1 fl.; papel e lacre

 

Âmbito e conteúdo: Criança do sexo masculino.
Inclui um selo aplicado sobre lacre encarnado com as iniciais BG inseridas num octógono.

 

Fundo: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
Outros Fundos

A biblioteca antiga da Santa Casa é constituída por uma relevante coleção de impressos de tipografia portuguesa e estrangeira, num total de, aproximadamente, 5.000 títulos. Na maior parte dos casos, os livros antigos (séculos XV a XVIII) são originários da livraria da Misericórdia de Lisboa. Alguns provêm ainda do Convento de São Pedro de Alcântara ou da antiga biblioteca da Casa dos Marqueses de Alegrete.

HORÁRIOS

Sala Vítor Ribeiro
Todos os dias úteis: 9:30 às 17:00

 

A requisição de documentos deve ser feita até 30 minutos antes do encerramento.

Informações

213 235 741

 

E-mail

arquivo.historico@scml.pt

 

Morada

Largo Trindade Coelho
1200-470 Lisboa

 

 

Pedir informações